como começar um armário cápsula

Como começar um armário cápsula?

Criar um armário cápsula

Preparada para meter mãos à obra? Neste momento já deves ter lido algumas coisas sobre este tema do armário cápsula e precisas de ajuda para organizar as ideias e meter tudo em prática. É exatamente isso que quero ajudar a fazer com este artigo e os artigos cujos links irás encontrar ao longo deste.

Não sabes exatamente o que é um armário cápsula? Podes ler aqui.

 

O problema de sentirmos constantemente que não temos nada para vestir não se resolve nem com mais dinheiro nem com mais idas às compras, como provavelmente já deves ter percebido ao longo dos últimos anos. Por isso o começo deve ser pela fonte do problema: o teu armário atual.

Vai ser preciso algum tempo, e disposição, para dar início a este processo mas vamos lá. Mete uma playlist a tocar, arranja espaço no quarto e traz TODA a roupa tua que tens em casa. Seja qual for a estação, pijamas e roupa interior incluídos. Bora lá!

 

1. Descobre o teu estilo pessoal

De que te serve abrir o teu armário e começar a escolher roupa se não souberes exatamente do que andas à procura? Antes de tudo é com o teu estilo pessoal que te deves preocupar. Qual a imagem que queres passar? Como é que te sentes confortável e atraente? Que tipo de roupa transmite a tua personalidade?

Usa ferramentas como o Pinterest para guardares inspiração e perceberes o tipo de looks e peças que mais te apelam. Tendo uma ideia daquilo em que queres transformar o teu armário será muito mais fácil partires para uma seleção dentro do que já tens. Sem essa ideia bem definida não vais ser capaz de decidir o que fica e o que vai embora.

 

2. Retira tudo o que está em mau estado ou não te serve

Pondo as mãos no teu armário, esta é a parte mais fácil. Tudo aquilo que está estragado, velho ou que não te serve há mais de um ano deve ser colocado em sacos seja para o lixo, para dar ou para vender. Esquece a ideia de que ainda vais voltar a caber na peça X ou Y, se há um ano que não a vestes a probabilidade disso acontecer é mínima, vamos ser realistas. E, a não ser que tenha sido uma peça caríssima e estejas efetivamente no ginásio a recuperar a tua forma física, poderás muito bem voltar a comprar algo semelhante mais atual no dia em que aquilo teoricamente te voltar a servir.

Tudo o que estiver em bom estado pode ser vendido, é uma forma de angariares dinheiro para comprares novas peças se for necessário.

 

3. Retira as tuas peças favoritas

Outra parte fácil, certo? Escolhe todas as que são as tuas peças favoritas, aquelas que usas mesmo intensivamente e que sabes que te ficam bem. Têm de te servir, ok? As peças que não te servem, por muito que gostes delas, já ficaram no ponto anterior.

Também não as escolhas por estarem em bom estado, ou por as usares muito só porque não tens outra coisa para as substituir. As peças deste ponto devem ser aquelas que apelam aos sentidos, aquelas que não trocarias mesmo que tivesses um budget ilimitado para comprar roupa nova.

 

4. Experimenta o que restou

Já foi “fora” tudo o que estava em mau estado ou não servia, e também já estão de parte todas as peças que não consegues viver sem porque as adoras, agora chegou a parte mais difícil. O que sobrou são as peças “nim”, não as adoras mas cumprem o seu papel, servem e não em mau estado. O que vais fazer com elas?

Em primeiro lugar vais experimentá-las todas, uma a uma, em frente a um espelho de corpo inteiro. Mesmo que tenhas vestido essa peça ontem e que aches que sabes como é que te fica e que podes avaliar sem a vestir, veste-a!

Em segundo lugar vais ser MUITO sincera contigo própria, como nunca foste antes – se achas que não és capaz, pede ajuda a alguém que saibas que te vai dar opiniões verdadeiras e não vai dizer “sim” só para te agradar. Em cada peça vais tentar responder a estas perguntas: gostas de te ver com essa peça? É adequada ao teu tipo de corpo e idade? É confortável o suficiente para as tuas atividades do dia a dia? Irás usá-la pelo menos uma vez por mês? Reflete o teu estilo pessoal e a imagem que queres passar de ti?

Se a resposta for “Sim” a todas estas perguntas, é uma peça que deves manter no teu armário. Abre uma exceção apenas para uma ou duas peças que só uses em ocasiões especiais como Natal, Passagem de Ano ou o teu aniversário.

 

5. Completa o teu armário final

Existem armários que precisam apenas de alguns toques, outros precisam de uma renovação completa. É óbvio que não irás fazer essa renovação de um dia para o outro, nem é esse o objetivo, as compras daqui para a frente devem exigir muita ponderação e análise. Por isso deves manter no teu armário roupa que uses regularmente, que ajude a completar os teus looks do dia a dia, mesmo que não seja peças que preencham os requisitos acima. Mais tarde ou mais cedo elas irão desaparecer, assim que as fores substituindo por coisas que ames verdadeiramente. Mas para já, servem para não te deixar “descalça”.

 

 

É natural que sintas que apenas 10 ou 20% das coisas passam no teste, e que estás a “deitar fora” quase 60% do teu armário. Não vou dizer que é fácil, mas o resultado final é tão bom que em poucos dias nunca mais te vais lembrar de quanto custou passar por tudo isto.

Lembras-te que tinha dito para trazeres também os pijamas e a roupa interior, certo? Estes também devem passar por esta curadoria. Deita fora tudo o que está velho ou que não gostas particularmente de usar, e mantém apenas as tuas peças favoritas. No meu caso eu não uso pijamas, tenho sim três pares de leggings, tops lisos básicos (que uso igualmente para o dia a dia) e duas camisolas tipo sweatshirt e durmo com estas peças. Tenho também um roupão que uso no inverno e dois calções larguinhos de algodão para o verão – estes sim são de pijama. Há quem adore pijamas, não é o meu caso, mas se é o teu não tem mal nenhum. Certifica-te é que não tens mais pijamas do que roupa. Três pijamas de inverno e três de verão são mais do que o suficiente.

Outra coisa que deves evitar é utilizar roupa velha para andar por casa. Isto é um erro terrível, porque vai perpetuando a acumulação de lixo no teu armário. Eu resolvi facilmente esse caso adotando as leggings como pijama, assim quando quero estar confortável basta-me vestir o meu “pijama” e se precisar de ir deitar o lixo fora ou à mercearia comprar qualquer coisa rapidamente, calço uns ténis e visto um casaco e estou apresentável. Roupa velha e/ou estragada é para ir para o lixo!

 

Pela minha experiência, o mais provável é que não sintas falta de nada do que acabaste de remover do teu armário, e ganhaste espaço para teres coisas de que realmente gostas e que vais usar muito, sem dramas de não saberes como as conjugar. Mas se não te sentes confortável em mandar tudo embora, podes arrumar essas coisas numa caixa guardada longe do teu armário. Guarda-as durante algum tempo, se não te lembrares mais delas então já sabes que são para ir embora.

 

Estes são cinco passos básicos para montares o teu primeiro armário cápsula, mas muito mais haverá por dizer. No meu livro “Armário Cápsula” poderás descobrir um guia completo de como tornar o teu armário funcional e seres mais feliz com o que vestes todos os dias.

 

Preparada para o próximo passo? Lê o artigo “Como definir o meu uniforme diário?”

 

Se gostaste deste artigo e gostavas de começar o teu armário cápsula, explora os restantes artigos deste blog e não te esqueças de adquirir o teu manual: o meu livro “Armário Cápsula”! Para veres inspiração de looks todos os dias, segue-me no Instagram em @armariocapsula.pt

You Might Also Like